Fábio Suzuki (fsuzuki@brasileconomico.com.br)

Ao repatriar ídolos do exterior, como Ronaldo, o Corinthians foi o clube que alcançou a maior receita no ano passado, de R$ 212 milhões

Levantamento realizado com o desempenho de 25 times de maiores receitas no ano passado mostra evolução de 19% sobre 2009.

O clubes brasileiros têm dado alguns passos rumo a uma gestão mais profissional no mundo do futebol com melhor aproveitamento do potencial que pode ser gerado em negócios com seus milhões de torcedores.

Uma mostra é a evolução de 19% da receita consolidada dos 25 times com os melhores desempenhos no mercado ao longo do ano passado sobre 2009. Com essa evolução, a soma do faturamento total dessas agremiações em 2010 atingiu R$ 1,8 bilhão.

Realizada pela BDO RCS, especializada em auditoria e consultoria em diversos setores econômicos, a análise aponta, entretanto, que as pessoas responsáveis pela administração dos clubes têm um caminho longo ainda para que a “empresa” dê bons lucros ao final da temporada.

Das 25 agremiações incluídas no levantamento, apenas quatro delas terminaram o ano de 2010 com superávit: Atlético Paranaense, Corinthians, Cruzeiro e São Paulo. Todos os outros fecharam os doze meses do ano passado com saldo negativo.

“A primeira conclusão desse estudo é que as receitas têm aumentado mesmo com a queda dos valores obtidos com a venda de jogadores. Isso é uma evolução pois a transferência de atletas para a Europa era a principal fonte até pouco tempo atrás”, avalia Amir Somoggi, diretor da área Esporte Total da BDO RCS.

Deve-se ressaltar também a valorização do real frente às moedas estrangeiras, fato que melhorou a situação dos clubes brasileiros em relação às potenciais europeias do futebol.

Um bom desse novo cenário do mercado da bola no país foi a iniciativa do Santos de manter o atacante Neymar no futebol brasileiro mesmo com as diversas tentativas dos principais clubes da Europa em contratá-lo.

Outro movimento favorável por essa nova situação dos times nacionais é a volta de grandes jogadores como Ronaldinho Gaúcho, Luís Fabiano e Adriano aos gramados brasileiros, fato que poucos anos atrás era praticamente impossível de ser realizado por conta dos altos salários desses atletas.

Destaque de peso

Dentro do total das receitas levantadas pelo estudo, o clube brasileiro com o maior faturamento em 2010 foi o Corinthians, que obteve R$ 212,6 milhões.

O resultado deve-se às diversas ações realizadas por conta do ano do centenário e também pela investida do time paulista em ter o atacante Ronaldo em seu elenco.

“Foi um marco no futebol brasileiro. O modo como o Corinthians utilizou a imagem dele para gerar receita para o clube será lembrado por vários anos e inicia uma nova fase no esporte do país”, ressalta Sylvio Maia, professor do MBA Gestão e Marketing Esportivo da Trevisan Escola de Negócios.

Mas depois de se destacar no ano passado, o Corinthians terá agora o desafio de manter suas receitas em alta após a aposentadoria de Ronaldo e o fim das ações relacionadas aos 100 anos do clube.

Completando as três primeiras posições entre os clubes que mais geraram receitas no ano passado estão o Internacional, que atingiu R$ 200,8 milhões, e o São Paulo, com R$ 195,7 milhões.

O clube gaúcho destaca-se por seu programa de sócio-torcedor, onde conta com mais de 100 mil pessoas cadastradas em seu programa e está entre os dez maiores times do mundo em números de sócios. Com a iniciativa, o clube gaúcho fatura anualmente mais de R$ 25 milhões.

Fonte: BrasilEconomico

Anúncios