Profissionais devem ter chances iguais ao disputar uma vaga dentro da própria empresa

A área de recursos humanos é responsável pelo gerenciamento dos colaboradores de uma empresa, desde a contratação até o desligamento do profissional. Os processos seletivos também fazem parte de suas atribuições, seja externo – quando a vaga é anunciada publicamente – ou interno, quando apenas os funcionários da própria organização podem participar da seleção. “A seleção interna motiva os funcionários, pois propicia reconhecimento, crescimento profissional e a oportunidade de desempenhar novas tarefas”, afirma Rossana Ercole, psicóloga e headhunter da Gnetwork.

Para que a seleção tenha êxito, as informações sobre os funcionários devem estar atualizadas, possibilitando fazer um levantamento dos potenciais candidatos. “Com o passar do tempo os profissionais fazem cursos, participam de congressos, concluem pós-graduações ou fazem treinamentos, agregando valor ao currículo. Mas muitas vezes o profissional não informa para a empresa as suas novas qualificações e por isso é importante atualizar os dados”, aponta.

Após a análise dos profissionais que integram o quadro da companhia é hora de divulgar a vaga. Todos os canais de comunicação devem ser utilizados para que a informação chegue a cada funcionário, sem correr o risco de alguém alegar que não foi informado. “O processo de seleção interna deve ser aberto através de um edital e publicado no jornal interno, na intranet, nos quadros de avisos e também deve ser divulgado de um colaborador para o outro, no famoso ‘boca a boca’, evitando problemas na comunicação”, ressalta.

Os interessados devem se dirigir ao RH e informarem que querem concorrer à vaga. Para facilitar o selecionador pode disponibilizar fichas de inscrição que oficializam a participação dos candidatos no processo. “A próxima etapa é explicar aos profissionais que se candidataram ao cargo as possibilidades de ascensão dentro da organização e de mudança de função. Todas as dúvidas devem ser esclarecidas, assim se alguém achar que não é interessante pode desistir de disputar a vaga”, acrescenta.

Ao iniciar o processo de seleção, o recrutador deve executar todas as etapas de uma seleção tradicional, mesmo conhecendo mais profundamente os candidatos. “Cada colaborador deve ser entrevistado individualmente. É interessante que o gestor responsável pela solicitação de abertura de vaga acompanhe estas etapas para auxiliar na escolha de quem mais se encaixar no perfil desejado”, esclarece.

O selecionador pode ainda realizar dinâmicas de grupo e testes específicos para o cargo que será preenchido. Outra forma de complementar a avaliação dos candidatos é conversar com os líderes dos setores nos quais estes profissionais atuam. “Desta forma é possível identificar as principais competências e deficiências dos colaboradores interessados na vaga e analisar qual será a melhor escolha, reduzindo as chances de erro”, considera Ercole.

A especialista observa ainda que para realizar o processo de seleção interna é fundamental transparência e planejamento. Neste caso vale à máxima ‘amigos, amigos, negócios a parte’. “A amizade deve ser esquecida no momento da escolha. O candidato tem que conquistar a vaga pela sua experiência, competências e potencialidades e não apenas por manter uma relação mais próxima com um líder ou dirigente. Ao terminar o processo, todos os candidatos devem receber um feedback do resultado, estimulando os profissionais a não desistir da ascensão”, finaliza.

Seleção interna motiva funcionários

A área de recursos humanos é responsável pelo gerenciamento dos colaboradores de uma empresa, desde a contratação até o desligamento do profissional. Os processos seletivos também fazem parte de suas atribuições, seja externo – quando a vaga é anunciada publicamente – ou interno, quando apenas os funcionários da própria organização podem participar da seleção. “A seleção interna motiva os funcionários, pois propicia reconhecimento, crescimento profissional e a oportunidade de desempenhar novas tarefas”, afirma Rossana Ercole, psicóloga e headhunter da Gnetwork.

Empresa deve ter informações atualizadas sobre os funcionários

Para que um processo seletivo interno tenha êxito, as informações sobre os funcionários devem estar atualizadas, possibilitando fazer um levantamento dos potenciais candidatos. “Com o passar do tempo os profissionais fazem cursos, participam de congressos, concluem pós-graduações ou fazem treinamentos, agregando valor ao currículo. Mas muitas vezes o profissional não informa para a empresa as suas novas qualificações e por isso é importante atualizar os dados”, aponta Rossana Ercole, psicóloga e headhunter da Gnetwork.

Fonte: Incorporativa