Mídias sociais permitem que os processos de seleção comecem antes mesmo das vagas serem divulgadas

A evolução da tecnologia, em especial da internet, afetam a maneira como as pessoas se relacionam, a forma como elas consomem produtos e serviços e até mesmo trazem mudanças significativas na vida profissional. O mercado de trabalho se adapta as novas realidades e usa o que a internet tem de melhor a seu favor. “O uso da rede mundial de computadores pelas empresas pode ter vários objetivos. Os principais são facilitar os processos de recrutamento e seleção e construir uma imagem positiva e transparente das organizações”, afirma a analista de recursos humanos da Global Network, Mônica Veridiano.

Na gestão de pessoas a internet possui um papel duplo: funciona como vitrine de talentos e serve como uma ferramenta de divulgação da empresa. “Os profissionais de recursos humanos aproveitam plataformas como as redes sociais para captar profissionais talentosos e qualificados, que podem ou não ser das empresas concorrentes. Isto torna o processo mais barato, assertivo e rápido, já que é possível entrar em contato diretamente com o profissional desejado”, explica.

O Orkut, o Linkedin, o Facebook, as comunidades virtuais, fóruns de discussão, são apenas alguns dos espaços virtuais dos quais é possível tirar muito proveito. “Os selecionadores podem alcançar o público-alvo desejado, divulgar vagas, solicitar currículos e ter acessos a informações que muitas vezes não ficam claras durante os processos seletivos convencionais. Todo este conhecimento contribui para um mapeamento mais realista do mercado”, ressalta a especialista.

Por outro lado, as empresas podem se expor de modo a atrair – e ao mesmo tempo – afastar candidatos. Permitir o acesso a cultura organizacional, as políticas salariais, as condições de trabalho e aos benefícios que a organização pode oferecer aos seus colaboradores é uma maneira interessante de aproximar talentos. “Assim somente quem realmente tem interesse em trabalhar na organização irá se candidatar, evitando desperdício de tempo”, observa.

A imagem que a empresa possui na internet também é importante. Atuais colaboradores, ex-funcionários e o mercado no qual ela atua podem elevar positivamente a imagem ou denegri-la. “Tudo depende de como a organização se relaciona com estes públicos. Seja dentro ou fora da internet, valores como respeito, ética e transparência são primordiais, especialmente em tempos que esconder pontos negativos é praticamente impossível”, acrescenta.

Fonte: Incorporativa