Especialistas dão dicas para abrir e administrar novos negócios

Do R7, com Jornal da Record

A criação de empresas no Brasil dobrou no ano passado na comparação com 2009. Mais de um milhão de empresas foram abertas em 2010. Esse número mostra uma tendência do brasileiro de deixar a condição de empregado e se tornar patrão.

Para quem quer empreender, especialistas dão dicas de como abrir o próprio negócio. Uma possibilidade é apostar nos modelos já testados, como as franquias normais ou microfranquias. Segundo o gerente da unidade de acesso a mercados e serviços financeiros do Sebrae, Paulo Alvim, o custo menor da microfranquia – ou franquia de baixo custo – é o diferencial que mais atrai novos investidores.

– A franquia tem a vantagem de trazer um produto ou serviço já definido, com uma marca conhecida. Com tudo isso, o risco envolvido na abertura de um negócio é menor.

Nos últimos três anos, a procura por parte de interessados em iniciar o próprio negócio nesse segmento específico de franquias cresceu entre 20% e 30% ao ano. Ele diz que a pessoa já consegue adquirir uma dessas franquias com um capital de R$ 10 mil a R$ 30 mil – algumas despesas de maior valor, como com o ponto comercial, são bem menores (ou mesmo nem existem) no caso das microfranquias

No caso de apostar em negócio próprio, os especialistas dizem ainda que o novo empreendedor deve se envolver em todo o processo e tentar entender todo o funcionamento da empresa. Para o consultor do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Renato Fonseca, o bom gerenciamento é fundamental e exige aprendizado.

Outro conselho é valorizar a relação com o cliente e buscar contatos fora da empresa em feiras do setor, reuniões com empresários e grupos de estudo. Conhecer outras pessoas do ramo pode ser importante para aprender e pedir ajuda quando necessário, acrescenta Fonseca.

Além de fugir da cobrança de patrões e de conseguir elevar os seus ganhos, os novos empresários têm a possibilidade também de abrir vagas no mercado de trabalho, com a contratação de funcionários. Isso tem colaborado para o aumento de empregos no país.

Levantamento do Sebrae divulgado no início deste mês mostrou que as micro e pequenas empresas lideraram a criação de empregos com carteira assinada em janeiro. Das 152.091 vagas abertas no início do ano, 121.368 – equivalente a 79,8% – foram geradas por negócios com no máximo 99 funcionários. Dentro desse total, 69,6% foram vagas abertas por empreendimentos que empregam até quatro trabalhadores.

Para o presidente do Sebrae, Luiz Barretto, essa situação reflete a estabilidade econômica atual do Brasil, além das oportunidades dos próximos anos por conta dos grandes eventos – como a Copa em 2014 e a Olimpíada de 2016.

– As micro e pequenas empresas são as grandes geradoras de emprego e renda no Brasil e cada vez mais se firmam como propulsoras de desenvolvimento. Esses números serão cada vez melhores.

Fonte: R7