A globalização da economia forçou a competitividade das atividades econômicas em todos os recantos do mundo. As leis de mercado vigoram com a mesma intensidade nos países desenvolvidos, nos emergentes e nos de terceiro mundo. Tal situação criou um enorme quebra cabeças para os empreendedores de todos os lugares do planeta. Diante desta celeuma, desejo lembrar aos empresários que a área contábil exerce importante papel na organização de sua empresa. A cultura de organização empresarial brasileira vem se ampliando graças ao importante trabalho da classe contábil. Mas, apesar do avanço, a tecnologia da informação mostra que a organização das empresas deve evoluir com mais rapidez e com melhor qualidade. De outro lado, o puder público se apresenta cada vez mais exigente, utilizando-se de meios eletrônicos para impor regras legais aos contribuintes, em alta velocidade.

A quebradeira de grandes empresas causada por fraudes em demonstrações contábeis, na América do Norte, despertou o mundo para o aperfeiçoamento e moralização da aplicação das normas contábeis. Agora o mercado está mais exigente, o contador está sendo mais exigido e, consequentemente, mais valorizado. Algumas concepções estão, necessariamente, desaparecendo. Mas, infelizmente, ainda existem empresários que mantêm a rudimentar visão de que o contador é um mero emissor de guias de impostos para a empresa pagar, equiparando-o a um agente do poder público à moda antiga. Esta rudimentar visão de alguns empresários atrofia o crescimento da empresa e do profissional contábil.

O contador deve ser visto, pelos empresários, como parceiro. Quanto mais o contador participar da gestão da empresa maior será o sucesso do empreendimento. O empresário nunca deve se desvencilhar de seu contador. Pelo contrário, deve trocar informações e discutir seus projetos e principais decisões com este profissional. A saúde financeira de uma empresa depende de seu grau de imunidade. O grau de imunidade aumenta à medida que a empresa cumpre com todas as suas obrigações legais nos prazos estabelecidos pela legislação. Do ponto de vista legal todas as obrigações são de responsabilidade do contribuinte. Assim, quando o contribuinte deixa de cumprir uma obrigação legal é certo que será penalizado por isso. As penalidades vão desde o pagamento de pesadas multas até a interdição do estabelecimento, com consequente interrupção das atividades da empresa. Apesar de o contribuinte ser responsável por todas as obrigações legais da empresa, nem tudo ele pode fazer. Isto porque a empresa tem obrigações legais cuja realização é privativa do contador. Do ponto visto legal o contador é o principal preposto da empresa. O sucesso do processo de legalização e de organização jurídica da empresa muito depende da qualidade do trabalho de seu contador. Portanto, pode-se afirmar que todo empreendimento de sucesso tem como parceiro um grande contador.

Autor: João Batista de Oliveira*

* Contador e auditor de empresas